Sonhos e homeopatia ou como lembrar dos sonhos

Olá leitores do blog Farmácia Natural, tudo bem? Hoje trazemos um artigo especial para vocês, o primeiro de uma série que será elaborada por alguns profissionais de saúde de diversas áreas.

Este artigo foi elaborado pelo doutor Ben-Hur Dalla Porta, que é médico homeopata, ex-presidente e atual diretor científico da Liga Homeopática do Rio Grande do Sul (LHRS), sobre o tema: sonhos e homeopatia. Interessante, não? Sintam-se a vontade para fazer perguntas e tirar dúvidas. Boa leitura!

Sonhos e homeopatia ou como lembrar dos sonhos*
pelo Médico homeopata Ben-Hur Dalla Porta**

Sonhamos pelo menos quatro a cinco vezes por noite. Entretanto, podemos passar vários anos sem sequer lembrar de um sonho. Os sonhos – imagens do inconsciente, muitas vezes traduzem em linguagem simbólica as dificuldades que passamos “nesta travessia”. Outras vezes podem resultar na solução encontrada por nossas conexões não-conscientes para problemas, incompatibilidades, angústias etc.

Em homeopatia, assim como em psicanálise, é importante lembrar dos sonhos. Não para interpretar, o que se costuma fazer racionalmente num processo psicoterapêutico, ou mais informalmente, seja em manuais de auto-ajuda ou numa tentativa de autoconhecimento. O sonho, do ponto de vista da homeopatia, é mais um sintoma. Grande é sua importância e hierarquia para a descoberta do medicamento mais adequado. Pode ser a expressão dos sonhos em relação a medos desconhecidos ou desejos inconfessáveis, mas é especialmente considerado se repetitivo ou muito marcante. Muitas vezes pode ser a representação simbólica do que o paciente tenta nos dizer em seu relato ou a tão almejada síntese (leit motiv) de seu sofrimento.

Lembrança onírica

Muito pouco se sabe ou se escreve sobre técnicas para lembrar dos sonhos – esses importantes instrumentos para o entendimento da mente humana. Tenho vaga lembrança (como um sonho distante, perdido nos corredores de minha memória de adolescente) da leitura (dinâmica) de um livro que descrevia uma técnica para trazer à consciência essas películas virtuais que podem ocupar um bom período de nossas noites.  Com tal técnica, pode-se recuperar e arquivar milhares de sonhos no decorrer de poucos anos. Até como exercício de memória tento decodificar aqui tal técnica.

A grande questão da recuperação da memória dos sonhos reside em fazer uma suave transição entre o sono e a vigília – o que certamente nenhum despertador contribui. Despertador desativado, procure acordar lentamente, sem fixar a atenção na sua realidade futura, condição física ou qualquer outro elemento que o tire da presente condição de “um ser despertando”. Procure não abrir os olhos e se abrir feche logo para manter intacta as condições de nossa “sala individual de projeções”. Manter os olhos fechados foca-nos de volta às imagens interiores que buscamos evocar. Procure, inclusive, não mudar de posição. Isso contribui para mantermos as mesmas condições do estado anterior.

Filme

Pouco a pouco, uma a uma, as imagens surgirão. Imagens do último sonho, trechos finais do último filme exibido pelo inconsciente. Freqüentemente ao revés, como quando retrocedemos um filme. Algumas imagens marcam mais que outras, quer por sua semelhança com a realidade ou sua tresloucada fantasia, impressionam e se fixam mais. Tente extrair o máximo de detalhes destes fragmentos que vieram à tona. Esgotadas todas as possibilidades, busque acomodar-se melhor na cama. Automaticamente, a próxima posição a ser adotada será a anterior à ultima que você dormia. Esse movimento de retorno lhe trará novas imagens do mesmo sonho ou outro anterior. Busque mais uma vez recordar todos os detalhes das imagens emergidas.

Só então acorde, abra os olhos e permita-se um movimento: o de trazer à mão, o mais rápido possível lápis e papel. Prepare-se para uma breve psicografia, descrevendo tudo que foi relembrado. Não deixe para depois o que pode ser escrito agora. Não é mergulhado em sua realidade cotidiana que se ampliam possibilidades de enriquecer o seu arquivo onírico. Experimente. O resultado pode ser no mínimo um bom exercício de memória ou literário. Pode auxiliar com informações “quentinhas”, diretamente do inconsciente, seu terapeuta ou homeopata.

Mais alguns detalhes, para concluir:
– manter papel e caneta na cabeceira da cama para possíveis despertares noturnos;
– procurar desenvolver a habilidade de escrever no escuro;
– utilizar-se de palavras-chave que possam servir de “isca” para pescar o grande peixe-sonho do mar do inconsciente no dia seguinte.

Resta-me desejar-lhe bons sonhos e boas lembranças. Ah, o livro “Sonhos Criativos”, de Patrícia Garfield é uma boa dica (1972, Nova Fronteira: Rio de Janeiro. http://www.patriciagarfield.com).

* Artigo originalmente publicado na revista Novos Rumos/Saúde, num 112, pg 07;
** Ben-Hur Dalla Porta é médico homeopata, ex-presidente e atual diretor científico da Liga Homeopática do Rio Grande do Sul (LHRS). E-mail: bdporta@uol.com.br. Endereço: Av. Praia de Belas, 2174/507. Telefone: (51) 32 33 93 81.

Anúncios

Cuidados para o cabelo: no inverno e sempre.

Neste período mais frio, costumamos tomar banhos mais quentes e a alta temperatura da água acaba retirando o óleo do couro cabeludo, que tem função de proteção natural e lubrificação dos fios (se não estiver em excesso). Com a retirada deste óleo natural, o cabelo pode ficar com um aspecto ressecado, quebradiço e com pontas duplas. Em alguns casos, o organismo entende que precisa repor essa ausência de oleosidade e, por isso, os cabelos podem ficar com aquele aspecto engordurado.

A água quente é um dos principais inimigos do cabelo no inverno. Desidrata os fios, aumenta a queda e provoca uma descamação do couro cabeludo que pode ser confundida com caspa. Por isso, evite água quente nos fios ao máximo, utilize sempre água morna.

Cabelos bonitos e saudáveis exigem cuidados especiais, tanto para evitar quedas como quebras. Fios que caem demais podem indicar um problema de saúde ou ser um sinal de que a tintura no cabeleireiro não está sendo aplicada da forma correta. Segundo a dermatologista Márcia Purceli e a cabeleireira Jô Nascimento, fios muito quebradiços são sinal de falta de proteína, enquanto problemas com ressecamento, aspereza e pontas duplas sinalizam pouca água.

Cerca de 80% do cabelo é formado por queratina, proteína que constitui outras estruturas do corpo, como as unhas e a pele. Sua função é deixar os fios mais fortes e saudáveis. Os outros 20% são feitos de lipídios (gorduras), água, sais minerais e mais alguns componentes. Eles servem para dar maleabilidade e maciez.

“Reconstruir” os fios, segundo as especialistas, é como recapear uma via asfaltada que apresenta rachaduras ou depressões após sofrer várias agressões no dia a dia, como sol, chuva, vento, cloro, mar, secador, chapinha, poluição e produtos químicos. Os cremes servem como um veículo de nutrientes, e a aplicação pode ser feita uma vez por semana, principalmente se os cabelos estiverem danificados.

Até mesmo lavar o cabelo é algo corriqueiro e muitas vezes automático, mas é preciso utilizar xampu e o condicionador ao fazer limpeza, pois são complementares. Segundo a dermatologista Márcia Purceli e a química Sueli Cagliari, os dois produtos separadamente não trazem tantos benefícios. Isso porque o xampu funciona como um detergente, que retira as impurezas dos fios, enquanto o condicionador fecha as escamas e dá maciez. Portanto, utilizar um ou outro separados não trará bons resultados, assim como utilizar os xampus e condicionador 2 em 1 também não são interessantes (pois exercem funções distintas ao mesmo tempo, o que diminui os resultados).

Em relação ao sal, existe um mito de que eles fazem mal. O que prejudica mesmo os cabelos é o sal do mar, ou mesmo o sal cloreto de sódio em excesso. São raros os xampus que não possuem nenhum tipo de sal em sua constituição e, em níveis que não ultrapassem o excesso, eles podem trazer benefícios a formulação.

Produtos e ativos
Hidratar os cabelos significa literalmente devolver água para os fios. Mas hoje, para tratar madeixas quebradas, é preciso muitas vezes também fazer tratamentos à base de vitaminas, proteínas ou aminoácidos. Isso porque, mais do que água, os cabelos precisam de “comida”, ou seja, de uma reconstrução.

A escolha de produtos deve levar em conta, além das características próprias do seu cabelo, seus hábitos, atividades e necessidades. Solicite orientações do farmacêutico e de seu médico. Em caso de problemas ou alterações anormais consulte um dermatologista e peça para formular um xampu e condicionador específico para o seu tipo de cabelo. Alguns dos mais utilizados e inovadores produtos capilares são:

– Xampu: funciona como um detergente, que retira as impurezas dos fios. Possui substâncias que se ligam temporariamente a água e as moléculas de sujeira, fazendo com que estas sejam levadas pela água durante o banho. Por possuirem essa função, eles abrem as escamas do cabelo.
– Condicionador: funciona como selador das escamas e dá maciez a fibra capilar, é o maior responsável por hidratar o cabelo pois possuem substâncias, como óleos, silicones e vitaminas, que tem maior afinidade pela medula e cortex capilar, assim como pelo bulbo.
– Gel: o gel nos cabelos dá efeito de brilho molhado e fixação por longos períodos. Não faz nenhum condicionamento ou hidratação, e pode causar caspa.
– Ceras e Pomadas: existem diferentes formulações com ceras, vaselinas, resinas ou silicone. Geralmente fixam, algumas hidratam e protegem os fios do calor. Se aplicadas em excesso, podem deixar os fios oleosos e criar caspa.
– Mousse: dá fixação, volume, maciez e hidratação. Se usado em excesso, pode deixar os cabelos oleosos e, se aplicado no couro, também pode dar caspa.
– Spray: são à base de resinas, alguns contêm proteção térmica e promovem fixação e controle dos fios. Não dão condicionamento ou hidratação e, se não forem removidos corretamente, podem quebrar os cabelos.

Compostos do xampu e do condicionador

– A água é um veículo básico em que os elementos são misturados
– Os detergentes limpam os fios e abrem as escamas
– Os amaciantes garantem a proteção do cabelo, o fechamento das escamas e a diminuição do volume dos fios
– Os espessantes deixam o produto mais viscoso
– Os perfumes dão a fragrância desejada.
Ativos e formulações para o cabelo
Confira alguns dos princípios ativos e formulações farmacêuticas mais utilizados para resgatar a saúde capilar.

– Óleo de argan: é um poderoso hidratante, originário do Marrocos e rico em vitamina E e ácidos graxos insaturados, que nutrem os fios e o couro cabeludo. Pode ser usado sozinho como finalizador, em condicionadores, tratamentos e tinturas.
– Extrato de Aloe vera: também conhecida como babosa, possui diversas funções medicinais, tem propriedade antibacteriana, cicatrizante e é muito utilizada em queimaduras por regenerar a pele. Ela reduz a oleosidade do cabelo, hidrata e repara os fios danificados.
– Manteiga de Karitê: extraída do fruto de karitê, é um excelente regenerador celular natural que previne o envelhecimento da pele e cabelo. Essa manteiga possui um poder de hidratante intenso e natural.
Extrato de Hamamélis: tem ação adstringente, vasoprotetora e antioleosidade. Utilizado há anos em preparações para oleosidade excessiva da pele e do couro cabeludo.
– Capsaicina: é o componente ativo das pimentas conhecidas internacionalmente como pimentas chili. Possui atividade vasodilatadora e aumenta a oxigenação dos tecidos, estimulando assim circulação do couro cabeludo e diminuindo a queda de cabelos.
– Minoxidil:  é um medicamento vasodilatador. Descobriu-se que o seu uso tinha como efeito secundário o crescimento de pêlos. Trata-se de um medicamento e seu uso deve ser indicado pelo médico.
– Piritionato de Zinco: um dos principais ativos utilizados no tratamento da caspa, trata-se de um agente antimicrobiano de amplo espectro, usado em todo o mundo em formulações para o tratamento da caspa e seborréia.
– Pil Food (uso oral):  é um complexo formado por vitaminas e aminoácidos que participam do desenvolvimento do cabelo, da estrutura da pele e das unhas.

Dicas de cuidados com o cabelo no inverno
– Hidratação: utilizar xampu e condicionador de boa qualidade e adequadas para seu tipo de cabelo e fazer hidratação é a melhor opção para manter os fios saudáveis no inverno. A hidratação deve ser repetida semanalmente.
– Oleosidade: é natural os cabelos ficarem mais oleosos no inverno. Por isso, opte por condicionadores e cremes mais leves e para desembaraçar os fios, use produtos sem enxágue. Prefira não aplicar sobre o couro cabeludo.
– Secador: o uso do secador deve ser feito corretamente, pois o ar quente nos fios provoca o enfraquecimento. Para que isso não ocorra, antes de secar o cabelo aplique um protetor térmico ou reparador de pontas para proteger os fios.
– Dormir com os cabelos molhados: não é recomendado pois além de ficar úmido, torna-se fraco e quebradiço. Evite também uso exagerado de chapéus, boinas, lenços e gorros, pois aumentam ainda mais a oleosidade do cabelo e podendo provocar o surgimento de fungos e bactérias no couro cabeludo.
– Massagem no couro cabeludo: ao lavar os cabelos, massageie o couro cabeludo. Assim, a circulação e oxigenação estarão ativas e ocorre o aceleramento no crescimento dos fios.

Referências
Cuidados para o Cabelo e a Pele. Revista Saúde em Ação. Edição II, 2011.
– Disfunções hormonais e perda de peso influenciam queda de cabelo. Acessado em http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2011/04/disfuncoes-hormonais-e-perda-de-peso-influenciam-queda-de-cabelo.html.
– Farmacopeia Brasileira, 5ª edição, volume 2. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2010.
–  Ativos Dermatológicos, volume 5. Valeria Maria de Souza et al. Pharmabooks Editora, 2011.

Pele – Limpeza e Cuidado!

Frequentemente, quando muda a estação (seja verão ou inverno), existe uma maior preocupação com a nossa pele. Esta conduta que temos apenas de vez em quando é um erro, pois este órgão que nos protege de diversas formas durante todo o ano deveria merecer esta atenção, diariamente. No Brasil, um país por natureza tropical, há um índice constantemente alto de radiação ultra-violeta, o que contribui para o envelhecimento precoce da nossa pele, além de aumentar os riscos ao câncer da pele.

Por trás de uma pele bonita, existem os cuidados que vão desde os básicos até os mais avançados. Entre os cuidados com a pele que são basicos está o ato de limpar a pele do rosto, para eliminar impurezas que vão se acumulando no decorrer do dia. Essas impurezas como poluição e poeira, causam a obstrução dos poros causando o excesso de oleosidade, por sequência contribuindo para o surgimento da acne.

A simples atitude de limpar a pele do rosto, é um forte aliado na manutenção de uma pele saudável, jovem e bonita. Então é importante lembrar de sempre procurar manter a pele limpa e hidratada. Neste post você vai aprender como, através de simples passos que são essenciais para manter a pele saudável, a limpeza do rosto segue uma simples sequência, que vai desde a lavagem com água e sabonete, até finalização com hidratação  ou protetor solar durante o dia.

Como limpar a pele do rosto passo a passo em 5 passos!

1° passo – Limpeza

Para  a limpeza da pele utilize um sabonete (líquido ou em barra), o sabonete tem a função de eliminar células mortas, secreções naturais da pele, resíduos de poluição entre outros. O sabonete também desobstrui os poros eliminando bactérias e impurezas da pele, e preparando-a para as próxima etapas.

2° passo –  Esfoliação

A esfoliação é parte importante no processo de limpeza da pele, pois age eliminando impurezas e também retira as células mortas existentes na pele, provocando assim uma renovação de forma natural das células da pele. Outro importante fator na esfoliação, é que auxilia no tratamento da acne ao eliminar celulas mortas e desobstruir os poros, e ainda melhora a absorção dos hidratantes. É um complemento importante à limpeza, podendo ser realizado ao mesmo tempo.

3° passo – Tonificação

A tonificação reduz a aparência de poros dilatados dando uniformidade a pele, já que o tônico aumenta a elasticidade da pele, protege da ação de radicais livres e dá tônus muscular.

4° passo – Hidratação

Hidratar é importantante para todos os tipos de pele, pois a hidratação ajuda a recuperar a umidade natural pela reposição de água. A hidratação é recomendada tanto para peles secas como para peles oleosas, no caso desta última o que se tem é excesso de óleo e não de água, por isso deve também ser hidratada. Por fim, ainda ajuda no combate ao envelhecimento, criando uma película protetora e mantendo a pele mais iluminada.

5° passo – Proteção Solar

O protetor solar é um item fundamental no cuidado com nossa pele, protegendo-a dos raios ultravioleta do sol e previnindo o câncer de pele. Outro motivo para o uso de filtro solar é que, os raios solares são um dos maiores contribuintes para o envelhecimento precoce fazendo com que o uso de protetor torne-se indispensável para se manter a pele jovem. O seu uso deve ser feito independente de estar na praia, em casa ou na rua, pois os raios solares estão aí do mesmo jeito.

Regras Básicas!

Além disso, algumas regras básicas também podem auxiliar decisivamente na manutenção de uma pele saudável, portanto devem ser obedecidas de forma contínua. São elas:

1-Tomar sol antes das 10 h ou após às 16h;
2-Passar filtro solar fator 15 ou mais, 30 minutos antes de se expor ao sol;
3-Reaplicar o filtro sempre que suar ou entrar na água, após secar a pele;
4-Utilizar guarda-sol, chapéu, óculos de sol e roupas leves.

Lembrar que nos dias nublados é necessário também se proteger pois o relativo conforto deve-se apenas a redução dos níveis de infra-vermelho (CALOR), mantendo-se o nível de ultra-violeta.

As melhores dicas para manter saudável cada tipo de pele e de cabelo!

Cuidados com a pele ressecada e/ou descamativa:

  • Não tome banhos muito quentes, eles retiram a oleosidade natural da pele.
  • Evite se ensaboar demais e não use bucha, isso retira a hidratação natural da pele. Prefira sabonetes suaves, “hidratantes”.
  • Se tomar 2 banhos por dia, ensaboe o corpo todo em apenas 1 deles.  No outro, só ensaboe as áreas de dobra de pele (axilas, regiões inguinais e nádegas).
  • Logo após o banho, com a pele ainda úmida, use um hidratante nas áreas ressecadas. Procure um dermatologista para saber qual o hidratante mais indicado para sua pele.
  • Beba bastante água e coma frutas, legumes e verduras.

Cuidados com a pele oleosa:

  • Evite usar hidratantes mais pesados nas áreas de pele oleosa, eles raramente são necessários. Mesmo se logo após o banho, a pele parece ressecada, em pouco tempo a oleosidade natural vai retornar.
  • Evite lavar a face com água quente, pois isso estimula a produção de mais oleosidade.
  • Evite alimentos gordurosos em excesso.
  • Beba bastante água e coma frutas, legumes e verduras.
  • Dê preferência para filtros solares ou cosméticos com o rótulo oil free (sem óleo).
  • Ee, além de oleosa, a pele descama ou fica avermelhada ou com coceira, procure um dermatologista, você pode estar com dermatite seborréica.

Cuidados com os cabelos oleosos:

  • Evite usar condicionadores próximo à raiz dos cabelos ou xampus que contenham condicionadores na sua fórmula (2 em 1).
  • Evite lavar a cabeça com água muito quente.
  • Evite excessos de alimentos gordurosos e de bebida alcoólica.
  • Beba bastante água e coma frutas, legumes e verduras.
  • Cuidado com o estresse, ele pode aumentar a produção de oleosidade.
  • Se além da oleosidade tem caspa e coceira, pode ser a dermatite seborréica. Neste caso, procure um dermatologista para o correto diagnóstico e tratamento.

Cuidados com os cabelos ressecados e com pontas duplas:

  • Use condicionadores após o xampu.
  • Use regeneradores de pontas após o banho.
  • Evite pentear frequentemente os cabelos.
  • Evite fazer escova.
  • Evite o calor intenso dos secadores.

Auto-Exame

Examine sua pele regularmente, pois será possível detectar o aparecimento de qualquer problema na sua fase inicial. Desta forma você irá se habituar com a aparência da sua pele e poderá observar qualquer tipo de alteração. Utilize o espelho como seu principal aliado no auto-exame. Seus maiores cuidados envolverão manchas que coçam, descamam ou sangram; sinais ou pintas que mudam de tamanho, de cor ou de forma; feridas que não cicatrizam em até 4 semanas.

Especial atenção deve ser dada aos sinais escuros, face a possível transformação para o melanoma. Existe um ABCD do Câncer da pele representado pelo seguinte:

  1. Assimetria – uma metade diferente da outra;
  2. Bordas irregulares – contorno mal definido;
  3. Cor variável – várias cores numa mesma lesão;
  4. Diâmetro – maior que 6 mm.

Se tiver dúvidas ou constatar qualquer anormalidade, consulte o Dermatologista!

Chia: para que serve?

Chia para emagrecer é a ultima novidade que está fazendo sucesso, esta semente considerada um super alimento funcional e nutricional é a fonte vegetal conhecida mais rica em em ácidos graxos.

A semente tem efeito superior no papel de combater a fome e auxílio na perda de peso sem o efeito sanfona. Riquíssima em uma série de nutrientes, o grão também pode ser um grande aliado da dieta.

Ela se encontra disponível no mercado em três formas: óleo, farinha e grão inteiro. O seu óleo pode ser usado como temperos de saladas e pratos em geral, já a farinha ou os grãos podem ser adicionados em iogurtes, vitaminas, tortas, bolos, saladas, sucos, entre outras receitas.

“A porção diária recomendada é de 25 gramas, o equivalente a uma colher de sobremesa”, diz a nutricionista Roseli Rossi, da Clínica Equilíbrio Nutricional. Caso você passe um pouco dessa recomendação, não há grandes problemas, mas é importante não exagerar e manter sempre a dieta equilibrada, pois a chia é um tanto calórica – são 164 calorias por porção da semente.

Conhecendo a Chia
Chia é uma semente cultivada há anos no México, conhecida por fornecer força e resistência aos atletas, através do equilíbrio de macronutrientes, fibras e ômega 3 de origem vegetal.

São sementes mucilaginosas que em contato com a água formam um retículo, podendo absover até 10 vezes o seu peso em água dando origem a soluções de alta viscosidade, responsáveis por suas ações sobre o metabolismo lipídico, de carboidratos e potencial anticarcinogênico.

No estômago, o retículo forma uma espécie de “gel” que retarda o esvaziamento gástrico, auxiliando na redução do apetite contribuindo no processo de saciedade. Os altos teores de proteína e gordura da Chia prolongam a saciedade devido o retardo no esvaziamento gástrico e secreção de hormônios intestinais.

Sabe-se que os alimentos têm grande influência no desempenho do nosso organismo. Por isso é importante manter uma alimentação balanceada e rica em nutrientes. Entre diversos benefícios, ela é capaz de auxiliar na perda de peso, na prevenção da diabetes e doenças cardiovasculares.

Segundo a nutricionista Thais Souza, da Rede Mundo Verde, essa semente era muito utilizada pelos astecas, mexicanos e habitantes do Sul da Califórnia e do Arizona como suplemento alimentar para aumentar a resistência, a energia e a força necessária sob condições extremas como o calor intenso, a escassez de água e alimentos.

Composição – Porque ela é tão especial?

– Fibras
“A semente de chia apresenta alto teor de fibras, nutriente essencial para o bom funcionamento do organismo. As fibras apresentam a capacidade de promover saciedade, pois em contato com líquido no interior do estômago formam uma espécie de “gel” que dilata o estômago”, conta a nutricionista.

Estudos apontam que o consumo da chia pode auxiliar na perda de peso, pois auxilia na redução do apetite. Além disso, a formação desse “gel” aumenta o volume do bolo fecal, facilitando a eliminação das fezes e melhorando o funcionamento do intestino. O “gel” formado pela fibra em contato com líquido auxilia ainda no tratamento e prevenção de doenças como diabetes e doenças cardiovasculares. Parte da glicose e gordura em excesso permanecem retidos na fibra, sendo eliminados através das fezes.

– Proteínas
“Outra característica é que a semente apresenta maior teor de proteína quando comparada a outros cereais como o milho, o arroz, a aveia, a cevada e o trigo. Por isso, o consumo da chia pode beneficiar vegetarianos, pois complementa o fornecimento deste nutriente na dieta”, afirma.

A chia pode ser utilizada na alimentação de crianças, adolescentes e gestantes, por ter nutrientes essenciais para o crescimento e desenvolvimento. Praticantes de atividades físicas também podem se beneficiar do consumo desta semente, já que estes indivíduos necessitam de maior aporte protéico quando comparados a indivíduos sedentários.

– Vitaminas e Minerais
Chia é uma boa fonte de vitaminas do complexo B, de minerais como: cálcio, fósforo, magnésio, potássio, ferro, zinco e cobre. “Por ser boa fonte de cálcio é uma excelente opção para aqueles que apresentam osteopenia e osteoporose. Para crianças e gestantes, o cálcio é importante para a formação da massa óssea”, explica Thais.

– Antioxidantes
Os radicais livres são produzidos diariamente em nosso organismo, durante a respiração, digestão dos alimentos, exposição à poluição, dentre outros. Os radicais livres podem danificar as células levando desde envelhecimento precoce até doenças como câncer. Os antioxidantes são capazes de bloquear o efeito prejudicial dos radicais livres. A maioria dos antioxidantes são encontrados em alimentos de origem vegetal, como frutas, verduras, legumes e cereais integrais. Importantes antioxidantes encontrados nas sementes de chia são o ácido caféico e ácido clorogênico. Estudos indicam que o consumo de altos níveis de alimentos e bebidas ricos em compostos antioxidantes podem proteger contra doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.

– Ômega-3
Possui teor mais elevado do que o encontrado em outras sementes.

Em resumo:

  • Fibras na chia: Favorece o trânsito intestinal e elimina as toxinas do corpo.
  • Cálcio na chia: Recentemente descoberto, que ele também ajudava a queimar gordura no organismo.
  • Magnésio na chia: Reduz a incidência da síndrome metabólica, condição que inclui o acúmulo de gordura abdominal.
  • Potássio na chia: Essencial para a contração muscular, desempenha um papel importante nas atividades físicas melhorando o rítmo de bombeamento do coração e movimento do corpo.
  • Proteína na chia: Um dos nutrientes principais que o corpo utiliza para gerar energia, sendo essencial para formação o dos músculos que queima mais calorias.

Ações Principais
· Causa saciedade: “suas sementes são mucilaginosas, ou seja, ricas em fibras. ao entrarem em contato com a água, formam um gel no estômago. diante dessa reação, a digestão torna-se mais lenta. Assim, o indivíduo fica satisfeito mais rapidamente e, então, passa a consumir porções menores”.

· Combate inflamação: “a gordura é resultado de um processo inflamatório do organismo, que deixa de enviar mensagens de saciedade ao cérebro. Com isso, perde-se o controle sobre a fome a ponto de comer e nunca se sentir satisfeita. O ômega 3 presente no grão combate essa inflamação, ajudando o corpo a recuperar o controle sobre o apetite”.
· Desintoxica: “a fibra regula o trânsito intestinal e limpa o organismo por meio das fezes”.

Contra-indicações?
Qualquer pessoa pode ingerir a semente. Porém, devido ao alto teor calórico, o excesso pode levar ao ganho de peso. Logo, para emagrecer, coma apenas a quantidade indicada na matéria.

Como consumir?
Pode ser encontrada de três formas – in natura (grãos), óleo e farinha. Mas independentemente do jeito que você prefere consumi-la, a chia deve ser ingerida 30 minutos antes de duas das suas principais refeições diárias (café da manhã, almoço ou jantar).

E você, já teve oportunidade de utilizá-la? Tire suas dúvidas, divida sua experiência, comunique-se. Nossa equipe de farmacêuticos esta a sua disposição para ajudar no que for necessário!

Como acabar com as olheiras?

“Como acabar com as minhas olheiras?”, sem dúvida alguma essa deve ter sido uma das perguntas que todos já se fizeram. Um dos grandes problemas ao combatê-las é que, como grande parte dos problemas de estética ou saúde, ele pode possuir diversas causas e origens, e compreendê-las é um fator crucial para eliminá-las. Detestadas tanto pelos homens como pelas mulheres, elas são atreladas inconscientemente a estados de depressão, doença e cansaço, e são facilmente notadas – o difícil, muitas vezes, será disfarçá-las ou acabar com elas.

Por isso, vamos tentar acabar com algumas das suas dúvidas a respeito desse tema, e apresentar algumas das possíveis soluções para esse problema. Existem sim alguns tratamentos e bons hábitos que podem auxiliar tanto no combate quanto na correção das olheiras, portanto, você não precisará recorrer ao velho truque dos óculos. Mas antes disso, vamos analisar as causas destas!

As causas das olheiras

Existem causas já bem conhecidas. Dentre as mais conhecidas, destacam-se:

  • Insônia ou excesso de sono
  • Hereditariedade
  • Exposição ao sol
  • Deficiências na microcirculação
  • Estresse e patologias da derme
  • Alergias, asma e eczema
  • Remédios
  • Má alimentação
  • Fadiga ou cansaço
  • Gravidez e menstruação
  • Idade

De uma maneira simples e fisiologicamente falando, as olheiras e bolsas ao redor dos olhos se formam principalmente devido a: problemas na integridade e estrutura da derme, decorrentes do desgaste das fibras de colágeno e elastina; envelhecimento cutâneo, devido ao estresse oxidativo e diminuição da elasticidade da pele, ocasionado principalmente pela falta de cuidados dermatológicos, ataque por radicais livres e excesso de sol; e acúmulo de pigmentos e formação de bolsas, decorrentes de uma microcirculação ineficaz.

Outro fato importante a ser considerado é que a pele ao redor dos olhos é muito delicada e fina. Enquanto no resto do corpo a pele pode atingir até 3 milímetros, nesta área a espessura é de 0,4 milímetros. E quando a pessoa não se alimenta bem, passa por estresse físico ou emocional, consome excessivamente álcool ou cigarros, ou não dorme direito à noite, os vasinhos sanguíneos da região se dilatam, podendo gerar as indesejadas olheiras.

Portanto, são diversas as causas, porém o mais importante é que você consiga identificar no que você possivelmente está falhando e tentar trabalhar neste ponto, sempre contando com a ajuda de seu dermatologista para poder tratá-las com sucesso. Você já identificou algum destes problemas no seu caso e na sua rotina?

E então, como acabar com elas?

Dentre as maneiras de acabar com as indesejadas olheiras, já existem diversos hábitos, receitas caseiras, cosméticos e tratamentos conhecidos, mas resolvemos elencar alguns dos que parecem ser mais promissores, tanto a longo quanto curto prazo. Contudo, para combatê-las e tratá-las de fato, reforçamos que você deverá procurar um dermatologista de sua confiança, pois ele é o profissional de saúde indicado para averiguar as características e necessidades da sua pele!

Receitas caseiras: Embora sejam práticas, as receitas caseiras para amenizar olheiras e bolsas tem o grande problema de funcionarem no modo “para inglês ver”, ou seja, exercem efeitos temporários e sutis. De qualquer modo, elas podem ser úteis e práticas, sendo elas: compressas algodão embebido em com chá de camomila gelado, rodelas de pepino ou batata, compressa ou máscaras de gelo, ou simplesmente lavar a região dos olhos com água gelada ou leite.

E porquê? As baixas temperaturas ajudam a reduzir o estresse cutâneo e a tensão acumulada na região periocular. Em geral, aplicações de 10 minutos são suficientes para apresentar bons resultados. Esses procedimentos ajudam a amenizar as olheiras e evitar sua formação. Além disso, (pepino e camomila). Já o leite (…).

Melhorar a alimentação: alimentar-se saudavelmente não é importante somente para a saúde dos seus olhos, mas para a sua saúde em geral! Se você consome uma boa variedade de frutas e vegetais, ricos em caroteno, você com certeza estará ajudando-os. Sim, cenouras, espinafre, mamão papaia e manga podem, por exemplo, ajudá-los a serem mais saudáveis.

Descansar: dormir e descansar de verdade é um dos mais clássicos tratamentos para as olheiras e sinais perioculares. Por quê? Porque quando se descansa, sua circulação será incentivada (inclusive na região periocular e dos seus olhos), hormônios e substâncias específicos que são somente liberados durante o sono auxiliam neste processo. Acredita-se que dormir com a cabeça levemente elevada auxiliará na circulação de fluídos que podem se acumular na região ocular.

Cosméticos: existem diversos produtos que prometem acabar com elas no mercado, e com o grande avanço científico atual, cada vez mais ativos dermatológicos são produzidos e mais produtos são elaborados. É importante frisar que eles são produtos tratamento auxiliar e estético e, em alguns casos mais severos, será necessário contar com tratamentos dermatológicos, como o de terapia de luz intensa pulsada (com a indicação de um dermatologista).

Como as olheiras e bolsas perioculares possuem diferentes causas, os cosméticos e ativos utilizados para tratá-las também são diversos. Contudo, elencamos alguns deles. Em meio a esta infinidade de opções, a grande maioria dos ativos encontrados nos cosméticos anti-olheiras e bolsas perioculares destina principalmente a:

  • diminuir a pigmentação da região periocular: uma das características que torna as olheiras mais evidentes é a pigmentação exagerada e, portanto, ativos despigmentantes geralmente são encontrados neste tipo de cosméticos. Os mais recorrentes são o ácido kójico, ácido fítico, adenin, arbutin, dmae, hidroquinonas e derivados da vitamina C;
  • melhorar a micro-circulação local: visando promover melhor hidratação, nutrientes e oxigênio para as células e tecidos da região, o que também promoverá regeneração dos fluídos da região periocular, é comum encontrar nestes cosméticos extratos de arroz, café (ou mesmo cafeína purificada), centela, gingko biloba e soja;
  • combater rugas e promover o rejuvenescimento celular: existem diversas maneiras de fazê-los, como modificar o metabolismo celular, inativar enzimas que desgastam as células, modular a tensão da derme, dentre outras possibilidades. Os ativos mais recorrentes nos cosméticos anti-olheiras são: adenin, dmae, pool de vitaminas A, C, D e E, Happybelle, idebenona, lipossomas de coenzima q10, dentre outros;
  • incentivar a produção ou inibir o desgaste do colágeno e da elastina: dentre os ativos mais conhecidos e empregados com estas funções, destacam-se: biodynes, dmso, Mdi complex e silício orgânico;
  • combater os radicais livres: os chamados agentes anti-oxidantes ou inibidores de radicais livres ganharam muita atenção e são foco de numerosas pesquisas cosméticas. O extrato de chá-verde, por exemplo, é muito utilizado com esta finalidade por ser rico em bioflavonóides que tem esta função, assim como o Exsynutriment e as vitaminas C e E.
  • promover a hidratação da pele e a proteção solar: um dos principais cuidados, mas muitas vezes esquecido, a hidratação da pele é fundamental na manutenção de uma pele saudável. Em geral, extratos de plantas e óleos promovem-na, mas ativos de hidratação profunda, como o Aquaporine, também ganham destaque. Filtros solares físicos ou químicos também podem ser adicionados, ou ainda, utilizados separadamente. Ativos que diminuem os efeitos nocivos da radiação ultra-violeta, como o ácido ferulíco, também são encontrados.
Como visto, existem inúmeras opções cosméticas para o tratamento de olheiras, e os preços também variam na mesma proporção. O importante é avaliar a qualidade do cosmético que você selecionará é adequado ás suas necessidades e características, se seu fornecedor é de qualidade e se a relação custo-benefício será benéfica para você. Sempre avalie que ativos o cosmético possui e procure se informar sobre a validade e eficácia dos mesmos.

Mas atenção! Salientamos que todo e qualquer tipo de diagnóstico e tratamento dermatológico deve ser acompanhado por um dermatologista. Nem sempre todos e quaisquer tipos de sinais e bolsas perioculares tratam-se de olheiras. Não se esqueça, seu dermatologista é o profissional de saúde indicado para averiguar qualquer tipo de inconformidade e tratamento para sua pele, e com certeza ele irá propôr um tratamento adequado para você. Consulte-o!

Tem dúvidas? Já experimentou alguma das técnicas ou cosméticos para combatê-las? Compartilhe sua opinião e experi/ência conosco! Ficaremos felizes em ajudá-lo.

Referências
– Olheiras – Como tirar e tratamentos. Acessado em barmetrossexual.com.br, no dia 04 de abril de 2012, ás 17 horas.
– Ways to Remove Dark Circles Under the Eyes. Acessado em http://www.dailyskincareessentials.com/2009/09/remove-dark-circles-under-the-eyes/, no dia 10 de abril de 2012, ás 16 horas.
– Além do cansaço, álcool, cigarro e genética são causas de olheiras. Acesssado em   http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2011/05/alem-do-cansaco-alcool-cigarro-e-genetica-sao-causas-de-olheiras.html, no dia 02 de abril de 2012, ás 14 horas.
Livre-se dos tipos mais comuns de olheira. Acessado no dia 10 de abril de 2012, ás 10 horas, em http://mdemulher.abril.com.br/beleza/reportagem/tratamentos/dicas-se-livrar-tipos-mais-comuns-olheira-681036.shtml.

Óleo de Coco e Óleo de Cártamo – uma dupla eficaz.

Enquanto o óleo de coco revela-se como um poderoso antioxidante, o óleo de cártamo promove certa sensação de saciedade e aceleração do metabolismo. No mundo das dietas, estes dois produtos naturais estão se tornando os queridinhos por todos aqueles que lutam contra a balança, e cada vez mais ganham atenção da mídia e de inúmeros estudos. E você, sabe para que eles servem?

Você mesmo, provavelmente, já deve ter ouvido falar no óleo de coco e no óleo de cártamo. Entretanto, ainda são muitas as pessoas que procuram saber quais os benefícios e diferenças entre eles, já que ambos são prescritos para perda de gordura. Conhecendo o benefício de cada um, você saberá usá-los com mais propriedade a seu favor.

Uma dupla com inúmeros benefícios

Os dois produtos contêm ômega-9, que é o ácido graxo oleico – o mesmo encontrado no azeite de oliva e no abacate – e que possui propriedade de metabolização da gordura corporal e também do colesterol. Ou seja, eles realmente fazem o metabolismo de gordura acelerar e, consequentemente, ajudam na queima de gordura corporal.

O fato de fazer efeito, principalmente na área da cintura, se deve também ao ômega-9, pois estudos mostram que esse ácido graxo diminui a produção de cortisol, uns dos hormônios responsáveis pelo armazenamento de gordura nessa região. Para queima de gordura, sempre indica-se tomar o óleo 30 minutos antes e 30 minutos depois do exercício, pois a gordura será melhor metabolizada. Deixando um pouco de lado essa questão de emagrecimento, vamos a outros benefícios:

Óleo de Cártamo

Rico em ácidos graxos poli-insaturados e monoinsaturados, o óleo de cártamo tem a propriedade de promover estímulos de saciedade por aumentar a leptina, hormônio resistente em obesos. Possui altos teores de ácidos linoléico (70%) e oléico (20%), auxilia na redução do acúmulo de gorduras, no aumento de massa corporal magra e muscular.

Em um estudo realizado em modelo animal avaliou o efeito da suplementação com óleo de Cártamo na expressão de genes relacionadas à obesidade e demonstrou que a administração deste óleo em ratos com dieta rica em gordura saturada melhora a glicemia, os níveis de colesterol e o peso corporal. Além disso foi observado redução significativa na adiposidade, fato determinado pelo aumento da expressão gênica de genes regulares do metabolismo dos adipócitos.

O ômega-6, ou ácido linoleico, protege contra o câncer, formação de placas de colesterol nas artérias e diabetes tipo 2. Além disso, acredita-se que este ácido graxo esteja relacionado às alterações corporais promovendo redução de gordura e aumento de massa muscular, podendo estar ligado à redução do tecido adiposo e aumento da lipólise.

No entanto, o ômega-6 está em excesso na nossa dieta, já que grande parte da população consome fontes alimentares desse nutriente. Ingerimos ômega-6 quando comemos carne vermelha, óleo de soja, peixes e sementes oleaginosas. Para o ômega-6 ter esse efeito maravilhoso sobre o nosso organismo, ele precisa estar em equilíbrio com o ômega-3, do contrário, pode favorecer a inflamação subclínica no organismo, podendo desencadear sérios prejuízos à saúde como resistência insulínica, diabetes, doenças cardiovasculares, câncer e, inclusive, a obesidade, pois todas são consideradas doenças inflamatórias.

Portanto, que fique bem claro! Para o óleo de cártamo funcionar de maneira adequada, o organismo precisa estar equilibrado em relação ao ômega-3 e, para isso, é preciso de ajuda de um profissional qualificado para adequar a quantidade diária.

Óleo de Coco

Muito tem se falado atualmente dos benefícios do óleo de coco, em especial quando extra virgem. De fato, ele é extraído da polpa do coco fresco por meio de um processo de prensa a frio e é considerado extra virgem por seu índice de acidez ser, no máximo, 0,5%. O que chama a atenção no produto é o alto grau de ácidos graxos de cadeia média (65%) – um tipo de fácil metabolização e baixa capacidade de oxidação.

Entre os ácidos graxos presentes, destacam-se o láurico (44-52%), o mirístico (13-19%), o palmítico (7,5-10,5%), o caprílico (5,5-9,5%), o oléico (5,8%), o cáprico (4,5-9,5%), o linoléico (1,5-2,5%), o esteárico (1-3%), o capróico (0,3-0,8%) e o araquídico (0,04%). Apesar de desconhecidas pela maioria, essas substâncias têm grande eficácia para a manutenção da saúde. Os ácidos cáprico e láurico, por exemplo, possuem efeitos positivos sobre aumento dos níveis do colesterol HDL e sobre a redução dos níveis de LDL, exercendo, portanto, efeito protetor no desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Para os que estão sempre de olho na balança, o óleo favorece o aumento do metabolismo basal e, com isso, o processo de emagrecimento. Os benefícios estendem-se também à ação antimicrobiana, o que favorece a capacidade do sistema imunológico, além de agir no intestino estimulando a defesa contra os micro-organismos patogênicos. Assim, ele atua como suplemento na prevenção e no tratamento de disfunções relacionadas à micro-organismos – como cândida, clamídia, citomegalovirus, estreptococos, estafilococos, H. pylori, influenza, giárdia, listeria, clamídia e contra ambos os tipos de herpes, zoester e simples.

O óleo de coco extra virgem é também uma boa fonte de vitamina E – com alta capacidade antioxidante, que promove a varredura dos radicais livres responsáveis pela danificação das estruturas celulares e comprometimento do funcionamento normal das células. Ele age na atividade anti-inflamatória, e, nesse sentido, atua sobre a perda de gordura – já que esse é um tecido inflamado.

Portanto, o óleo de coco pode ser um produto que somará ganhos à dieta saudável e equilibrada. A recomendação de uso deve ser individualizada e orientada por um profissional de saúde, como o nutricionista. Nada em excesso faz bem: sua ingestão exagerada pode provocar, dentre outros problemas, enjôos e mal estar.

E você? Já teve oportunidade de utilizar algum destes suplementos, ou ambos? Comente como foi essa experiência, tire suas dúvidas a respeito de algum deles, ou ainda compartilhe a sua experiência e opinião conosco.

Para fazer seu pedido, clique aqui para saber como nos contatar.

Referências
– Óleos de coco e de cártamo aceleram o seu metabolismo. Revista eletrônica Minha Vida. Acessado no dia 26/04/2012 ás 17 horas, em http://www.minhavida.com.br/alimentacao/materias/12983-oleos-de-coco-e-de-cartamo-aceleram-o-seu-metabolismo.
– Óleos de coco e cártamo aceleram o emagrecimento. Acessado no dia 26/04/2012 ás 17 horas, em http://www.clicrbs.com.br/especial/sc/rbstvsc/19,0,3622930,Oleos-de-coco-e-cartamo-aceleram-o-emagrecimento.html.
Vantagens do Óleo de Coco e de Cartámo. Informe da Pharmaceutical Assessoria no Facebook. Produzido por Joana Lucyk, nutricionista graduada pela Universidade de Brasília, com mestrado em Nutrição Humana e especialização em Nutrição Clínica Funcional e Esportiva.

Os inúmeros benefícios do Óleo de Argan

O óleo de argan, também conhecido como óleo de marrocos, é produzido a partir da árvore argan, típica da região que dá o outro nome. Seu óleo é valorizado por sua ação nutritiva, tratando-se de um produto natural resultante da extração por prensagem das amêndoas e dos frutos secos desta árvore.

Rico em ácido linoléico, ácido oléico, ácido fenólico, ácido linólíco, ômega-9, ômega-6, vitamina E (tocoferol), polifenóis, carotenos, esqualeno e demais ácidos graxos essenciais, ele possui poderosa ação antioxidante e, dependendo do método de extração, é mais resistente à oxidação do que o óleo de oliva. O óleo de Argan também revelou-se particularmente interessante na regulação do colesterol pelo teor de ácido oléico. Estudos demonstraram que 2 colheres de sopa de óleo de Argan diariamente por um mês pode reduzir significativamente os níveis de colesterol no sangue.

Por ser rico em tocoferóis e vitamina E em especial, ele é um poderoso antioxidante que captura os radicais livres e neutraliza a oxidação destrutiva celular. Graças ao seu alto teor desta vitamina, ele hidrata profundamente a pele eos cabelos, atuando contra o ressecamento e envelhecimento. O óleo de Argan regenera a pele e combate o envelhecimento durante o repouso noturno.

Ideal para massagem, tratamento da pele e capilar!

Devido a sua rica constituição, quando adicionado a xampús, condicionadores e outros produtos para tratamento capilar, ele promove nutrição e revitaliza o couro cabeludo, além de fortalecer, dar brilho e suavidade aos cabelos, promovendo o selamento das cutículas capilares.

O óleo de argan evita o ressecamento durante e após tingimentos, além de diminuir a agressão causada por tratamentos químicos, tratando-se de um poderoso hidratante e excepcional finalizador de penteados. Relata-se que ele combate as pontas duplas e o frizz.

Além de toda esta ação capilar, o óleo de Argan também é recomendado para o tratamento das unhas quebradiças, pois as nutre e protege contra agressões externas, fortalecendo-as ainda mais. Diversos esmaltes e produtos que visam tratar esta condição já contam com este óleo em sua composição.

E lembre-se: somente na farmácia de manipulação você tem a possibilidade de desenvolver diversos produtos farmacêutico especificamente para suas necessidades e características, únicas e singulares como você.

Referências:
– Influence of Origin and Extraction Method on Argan Oil Physico-Chemical Characteristics and Composition. J. Agric. Food Chem., 2005, 53 (6), pp 2081–2087. DOI: 10.1021/jf040290t. Publication Date (Web): February 17, 2005.
– Argan oil: Occurrence, composition and impact on human health. European Journal of Lipid Science and Technology. Volume 110, Issue 7, pages 632–636, No. 7 July 2008.
Benefícios do óleo de argan para cabelos cacheados. Revista M de Mulher, editora Abril. Acessado em 08 de abril de 2012, em: http://mdemulher.abril.com.br/cabelos/reportagem/hidratacao/beneficios-oleo-argan-cabelos-cacheados-677744.shtml.
– O poder do Óleo de Argan. Revista Tempo de Mulher. Acessado em 08 de abril de 2012, em: http://estilo.br.msn.com/tempodemulher/beleza-e-saude/o-poder-do-%C3%B3leo-de-argan.